Priscilla Tejota faz balanço de 2019 da Comissão de Saúde e Assistência Social - Alô Goiás

Últimas

terça-feira, 7 de janeiro de 2020

Priscilla Tejota faz balanço de 2019 da Comissão de Saúde e Assistência Social

O ano de 2019 da Comissão de Saúde e Assistência Social (CSAS) foi considerado positivo pela presidente, a vereadora Priscilla Tejota (PSD)

Foto: Alberto Maia
Em seu pronunciamento na tribuna durante a última sessão ordinária desta quinta-feira (19) na Câmara Municipal de Goiânia, ela destacou as atividades realizadas pela comissão temática como reuniões, visitas técnicas e diligências.

“A Comissão de Saúde e Assistência Social, em 2019, desempenhou funções administrativas importantíssimas para a sociedade. Além das suas atividades básicas, destacamos os serviços de ouvidoria, fiscalização, recebimento de denúncias de órgãos especializados, como Cremego (Conselho Regional de Medicina de Goiás) e Crogo (Conselho Regional de Odontologia de Goiás), e, sobretudo, destacamos a aproximação institucional entre a comissão e os conselhos municipais de Saúde e Assistência Social”, salientou a vereadora.

Priscilla Tejota anunciou verba do Fundo Nacional de Saúde destinada ao município de Goiânia, articulada por ela junto ao senador Jorge Kajuru (Cidadania), no valor de R$ 1,5 milhão para a construção de uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) 24 horas na região Noroeste. A parlamentar apresentou, nesta quinta, um requerimento solicitando informações à Secretaria Municipal de Saúde sobre a aplicação da verba pelo município.

Tejota manifestou preocupação em encerrar mais um ano com as unidades de saúde de Goiânia sucateadas e obras não concluídas, como a do Centro de Atenção Integrada à Saúde (Cais) Jardim América, fechado há mais de dois anos para ser transformado em UPA. “Nós entendemos que Goiânia tem a necessidade de acompanhar o número de UPAs da Região Metropolitana, mas isso não pode ser feito com essa morosidade, prejudicando tanto a população com a desativação dessas unidades”, assinalou a parlamentar ao pontuar outras falhas na gestão da saúde da capital, incluindo o não término da Maternidade Oeste.

“O número de pediatras ainda não atende as necessidades de Goiânia e a centralização da emergência de pediatria no Cais de Campinas também não. Sabemos que a saúde pública na capital é uma das principais demandas do goianiense e vamos continuar cobrando melhorias nessa área”, completou.

Trabalhos

Em 2019, a Comissão de Saúde e Assistência Social realizou seis reuniões ordinárias e teve 19 projetos de lei apreciados. A Ouvidoria da Comissão de Saúde e Assistência Social recebeu do Conselho Regional de Medicina (Cremego) oito processos de fiscalização realizados em unidades de saúde do Município de Goiânia, em que foram averiguados o funcionamento dos estabelecimentos, a situação dos instrumentos de trabalho e os aparelhos utilizados, bem como o cumprimento dos plantões, escalas e as condições de trabalho dos profissionais que atuam nestas unidades.

Priscilla Tejota afirmou que a nova postura adotada pela Comissão de Saúde e Assistência Social tem ganhado espaço e confiança da população e funcionários públicos que atuam na área da saúde. “Diariamente recebemos informações sobre demora nos atendimentos, superlotação nas unidades, entre outras queixas. Essas denúncias são recebidas pessoalmente ou pelo e-mail da comissão. Além disso, órgãos locais também estão utilizando a comissão para registrar denúncias, a exemplo do Conselho Local de Saúde do Caps (Centro de Atenção Psicossocial) Esperança, que trouxe informações sobre descumprimento do quadro de escala dos profissionais daquela unidade”, informou a vereadora.

Blitz

Foram realizadas diligências para verificar as condições das seguintes unidades: Casa de Eurípedes, Centro de Referência em Diagnostico e Terapêutica (CRDT), Residencial Professor Niso Prego (abrigo temporário para menores em situação de abandono), Caps Esperança (unidade de saúde do município responsável por oferecer atendimento à pacientes com transtornos mentais), Cais do Jardim Guanabara e Campinas. “Em visita ao Caps Esperança, encontramos problemas como falta de medicamentos, falta de alimentos básicos para os pacientes em tratamento, falta de higiene e de manutenção nas instalações da unidade”, revelou Priscilla.

“Acredito que para resolvermos os problemas atuais é de extrema importância que as instituições trabalhem unidas, em prol do cidadão. Desta forma, a marca predominante na minha gestão é o dialogo e, por meio dele, conseguimos reunir este ano com o Conselho Municipal de Saúde e Conselho Municipal de Assistência Social. No próximo ano, pretendemos ampliar o relacionamento entre a Comissão de Saúde e Assistência Social e os conselhos. O momento é adequado para, juntos, fortalecermos os atos de fiscalização”, finalizou a parlamentar.a

Nenhum comentário:

Postar um comentário