Artigo: A influência da mídia alternativa na política e na nossa sociedade - Alô Goiás

Últimas

sexta-feira, 27 de março de 2020

Artigo: A influência da mídia alternativa na política e na nossa sociedade



Paulo Melo

Em um mundo globalizado e frenético estamos rodeados de inúmeros acontecimentos que mesmo quando ocorrem no outro extremo do planeta, podem surtir efeitos imediatos em nossa própria localidade. Assim, entra em voga a importância e a necessidade da mídia, sobretudo da imprensa, que tem a função de nos atualizar sobre esses fatos a todo momento




Considerando que muitos acreditam estarmos entrando em uma nova fase da revolução industrial, onde a informação e dados são basilares para os planejamentos e moldes de todo o desenvolvimento futuro, a reprodução desses informes precisa ser meticulosamente pensada. Esse cuidado é tomado para que seja possível atingir todos os seus ouvintes de forma clara, precisa, imparcial, e para que possa agir de fato como uma informação, e não uma desinformação; uma distorção da realidade.

Por essa necessidade crescente de novas informações, é que cada vez mais as pessoas buscam por fontes diferentes, tornando-as de mais fácil disseminação. Assim, cria-se uma democratização do conhecimento e ocorre uma quebra do monopólio das grandes organizações midiáticas que anteriormente conseguiam sutilmente impor suas visões de mundo para as massas.

Corroborando isso, o exemplo mais clarividente que podemos citar é o caso das eleições presidenciais do Brasil em 2018, onde todos acreditavam que aquele que tivesse o maior montante de financiamento, o maior direito de tempo de propaganda televisiva, e que contasse com o maior aparato estatal seria provavelmente o vencedor, assim como sempre aconteceu na história mundial. Mas, a exemplo do que aconteceu com o presidente norte americano Donald Trump, que contava com apenas 1% das intenções de voto nas pesquisas, no Brasil venceu o improvável Jair Bolsonaro, que ganhou notoriedade com suas falas polêmicas nas mídias, e através dos chamados “memes” da internet.

O ponto em que quero chegar é que a centralização, e a ideia que sempre tivemos que somente grandes veículos de comunicação possuem credibilidade, já não é mais absoluta como um dia já fora, e essa diferença traz mudanças substanciais, positivas quanto negativas. As positivas, como mencionadas, são o fato de que as pessoas possuem uma maior autonomia de opinião e de tomadas de decisões, sejam em seus dogmas ideológicos pessoais, em escolhas de estilo de vida, seja até mesmo no encaminhamento de mercados e outras logísticas de grande escala. Com isso, os governos podem ter melhor visão do que ocorre verdadeiramente com seu povo, que lhes possibilita um melhor planejamento de políticas de estado.

Mesmo com grandes resultados positivos, igualmente surgem pontos negativos, sendo o principal e mais latente entre eles, as chamadas ‘fake news’, ou ‘notícias falsas’, ao traduzir para o português. Dado que as pessoas já não mais consideram com veemência as grandes mídias como absolutas, isso abre margem para que as pessoas possam acabar levianamente induzidas a acreditar em fatos inverídicos que possuem puramente a intenção de criar desinformação e sensacionalismo, quase que numa ação terrorista. Como contrapeso dessa realidade, muitos filtros surgiram, especialmente por parte dos veículos midiáticos já consagrados, preocupados com manutenção de boas informações. Um exemplo desses contrapesos são os sites de ‘fact check’, ou ‘checagem de fatos’, onde são publicadas notícias virais com grande apelo e demonstram de forma fundamentada se os fatos são verídicos ou não.

Destarte a todo o exposto, é necessário entender a nova era em que vivemos, para que assim possamos suprir toda essa demanda da sociedade, ao mesmo tempo em que possamos sanar essas inconveniências das informações inverídicas e com más intenções. Além disso, a compreensão é primordial para que possamos, assim, aprimorar os meios de comunicação para os tempos atuais sem perder a essência da sua função social de sempre, informar.


*Paulo Melo é Jornalista, Vice-presidente de Comunicação do SindiCONDOMÍNIO/DF, Diretor Executivo das Organizações Cidades & Condomínios e Presidente da Federação Nacional dos Comunicadores no Distrito Federal - FENACOM-DF.

Nenhum comentário:

Postar um comentário